23.11.16

Será que é amor? - Capítulo 37


A noite parecia uma eternidade, Caroline mal conseguiu dormir, não sabia o que estava pior, o calor ou o fato de Denise ficar abraçando-a de meia em meia hora, apesar de gostar de abraços aquilo já era demais.
-O que está fazendo? - perguntou a menina.
-acho melhor dormimos assim, boa noite - respondeu Carol tentando disfarçar o porquê  havia trocado de posição para dormir, mas pelo menos era mais agradável ficar ao lado do pé de Denise, do que cara a cara com ela.
Débora acordou dolorida, fazia algum tempo que não dormia tão mal para que amanhecesse assim, toda se doendo, seu primeiro pensamento ao levantar-se foi Caroline, tratou de se arrumar rapidamente, queria chegar mais cedo possível ao colégio.
-Droga! - resmungou ao esbarrar na mesa.
Quanto mais pressa Débora tinha, mais desastrada ela era, mesmo assim conseguiu sair antes do que gostaria, daria tempo de fazer o que havia planejado.
POW POW POW
-Bom dia, poderia chamar a Caroline?
-A Caroline dormiu fora - respondeu, dessa vez parecia estar sóbrio.
-O que você quer com minha filha?
-Como assim? não entendi a pergunta- falou Débora.
-Vocês duas juntas.. escuta aqui, eu não nasci ontem
Débora não deixou o pai de Carol complementar a frase e o interrompeu firmemente
-É óbvio que o senhor não nasceu ontem, e é por isso que eu espero que o não esteja querendo insinuar nada que não esteja acontecendo, vim aqui porque a Caroline saiu da escola ontem e não estava se sentido bem, então queria...-Antes de concluir, Débora é cortada pelas risadas de deboche vindas do homem.
-Vou dizer apenas uma vez, eu não quero você com minha filha...se não..
-Se não o que? - encara Débora.
-Se não o seu problema não será apenas comigo, que sou o pai dela mas..
-Pai dela? pai que dá um murro na cara dela? que mal se preocupa com ela? que ..que..
-Veja bem o que você vai falar -falou apontando o dedo em sua cara, enquanto segurava seus braços.
-Como eu estava dizendo, o problema não será só comigo, mas com a polícia..com o seu empreguinho, se é que ainda tiver um até lá...
Débora puxou o braço de uma vez, encarou aquele homem repugnante e tornou-se a ir embora.
Já em seu trabalho, a professora procurou atentamente, queria saber se Caroline havia chegado.
-graças a Deus - disse Débora abraçando Carol,  estava tão contente por vê -la bem... Que ignorou a presença de Denise,  que ficou sem entender o porquê do carinho que até então não tinham. 
Ao perceber que exagerou na dose, Débora se recompôs, seguido de um silêncio e troca de olhares entre as três.
-alguém pode me explicar o que está rolando aqui?-Pergunta a menina curiosa.

Débora e Carol se entreolham e..
-Obrigada professora Débora pela ajuda de ontem- agradeceu Caroline.
-Imagina, espero que esteja melhor.
Denise ainda desconfiada, se atreve a fazer outro questionamento, porém foi interrompida pela Diretora que apareceu em seguida.
-Denise, posso saber o que faz aqui?
Salvas pelo gongo!
-Eu só vim fazer a prova ! - disse irritada.
-Você está suspensa, e suspensão significa não frequentar a aula independente de ter prova ou não, por favor vai pra casa, se não terei que chamar seus pais.
Denise revirou os olhos e saiu morrendo de raiva, não se despediu nem mesmo de Caroline que achava muito estranho quando a garota agia assim.
-Foi por pouco.-Comentou a professora.
Caroline a olhou e assentiu com a cabeça.
-Você está bem?
-Porque a pergunta professora?
-nada, só queria saber se você está bem.
-Ah, imagina você ficar sabendo que a pessoa que DIZ que te ama simplesmente te trai, imagina? você estaria bem?! - Ironizou Caroline, indo para sala deixando Débora sozinha sem ao menos ouvir a resposta.
-Espera - diz segurando suas mãos.
-O que? - responde friamente.
-Precisamos conversar, por favor 
Carol assentiu com a cabeça, por mais raiva e magoa que estava sentindo de Débora, sabia que essa conversa deveria acontecer.
-Me espera no meu carro quando as aulas terminarem?
-Não se atrase ! - respondeu Caroline com uma certa autoridade na voz, Débora por sua vez sorriu achando engraçado, Caroline também achou apesar de não sorrir; ao se virar, quando a professora já não era capaz de ver sua expressão, riu de si mesma, ficava péssima no papel de autoritária.
Ao entrar na sala, Caroline se depara com sua mesa rabiscada, ao observar com detalhes o desenho era possível ler alguns xingamentos e todos direcionado a ela.
Caroline vagabunda
Caroline puta
Nem catraca de ônibus é mais rodada que vc
Carol ficou sem entender, afinal como essas mensagens poderiam ser pra ela? Quer dizer, até então tinha se mudado para a cidade tão pouco tempo e não se envolveu com ninguém, com nenhuma briga, não acreditou que aquilo fosse pra ela, talvez fosse para outra Caroline do turno da noite, pensou, por fim acabou deixando por isso mesmo.
-Então pessoal, estudem para a prova, matemática não se aprende só lendo, mas fazendo as tarefas. até amanha.-finalizou a professora que logo após alguns minutos foi interrompida pelo sinal que acabou finalizando a aula, Débora estava ansiosa pela conversa que iria ter com Carol.
Ao descer viu Caroline indo para o estacionamento, então a chama.
-Me ajuda a pegar algumas provas?
Caroline concordou e as duas foram para a sala dos professores, era um ambiente agradável.
"ar condicionado enquanto nós mal temos ventiladores" Questionou Caroline nos próprios pensamentos.
-Aqui - entregou empilhados de folha a menina.
-Nossa
-Pesado?
-Não, só é muito papel, pra quê guarda tudo isso?
-Deveres do oficio-Brincou.
-Vamos? - disse a professora abrindo a porta para que fossem embora, quando foi chamada por alguém que gritava seu nome.
-Débora, Débora.
-Olá professor, posso ajudar?
-Precisamos falar sobre aquele assunto.
-aquele assunto? - perguntou desentendida
-Sim, Débora, aquele assunto..-falou o professor olhando para Caroline que estava atrás reparando na conversa.
-Ah sim, aquele assunto, pode ser amanhã, tenho que resolver algumas coisas hoje.
-Claro, Boa noite - Despediu o professor dando um simples aceno.
Carol e Débora seguiram para o carro, ao organizar tudo em seu devido lugar, as duas foram embora, não perceberam em nenhum momento que estavam sendo observadas.
No caminho, permaneceram caladas, talvez fosse melhor esperar chegar ao apartamento, Caroline apenas fez perguntas vagas sobre o trabalho ou algo relacionado a ele, não queria entrar em detalhes sobre a vida de Débora, não queria fazer parecer como se tudo estivesse bem, porque não estava.
-Chegamos - sorriu Débora.
Ao pegar as folhas, Carol se atrapalhou completamente, tornando aquela situação engraçada, inevitavelmente tirando uma gargalhada das duas, que trocaram sorrisos e olhares mas logo seguido de um longo silêncio.
-Bem vinda a..
-ao matadouro? - disse Caroline fria.
Débora tentou não levar em consideração o comentário.
-Vou pegar um suco para nós.
-Não precisa- disse Caroline colocando os papéis no sofá.-Quero que nossa conversa seja rápida e prática, assim como você gosta de ser.
-an ? como assim Caroline?-Falou Débora calma.
-Você sabe do que eu estou falando, você e a Juliana, nunca terminaram de verdade não é? ela tinha razão quando insinuava que eu era apenas o seu passa tempo, diz, confessa?! RESPONDE DÉBORA- Dizia com o tom de voz alterado.
Débora se aproximou de Caroline que no exato momento estava praticamente aos prantos cobrando sua resposta, e instintivamente a abraçou, como ela costumava fazer, abraçou Caroline tão forte que ela não foi capaz de recusar tal gesto, estava indefesa e vulnerável.
-Você acha mesmo que tudo o que vivemos não passou de uma mentira? Acha mesmo que eu te enganei esse tempo todo? é isso que você acha?- perguntou Débora sussurrando ao pé do seu ouvido. 
Capítulo anterior                  Capítulo seguinte

15 comentários:

  1. KDE o restante pelo amor de Deus...

    ResponderExcluir
  2. Não tem mais? :-O
    Quero mais.. Cade?

    ResponderExcluir
  3. quero continuação,espero logo poder ler isso novamente 😍

    ResponderExcluir
  4. Qro saber l restante tbm mi add no email Daiane_cig@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. mas pq sem continuação????????????????????????

    ResponderExcluir
  6. Cadê o capítulo 38?? 😦😢😢

    ResponderExcluir
  7. Quero continuação!!! É maravilhoso

    ResponderExcluir
  8. Como não tem capitulo 38

    ResponderExcluir
  9. ns to viciada gente mt bm, em um dia eu li praticamente toda historia de debora e carol,ameiiii

    ResponderExcluir
  10. Por que não consigo acessar o capítulo 38 ? EU CLICO MAS VOLTA PARA ESSE

    ResponderExcluir