15.5.16

Será que é amor? - capítulo 21


- isso é jeito de me receber filha?
- Desculpa mãe, não esperava que viesse, aqui.. na minha casa..  hoje... porque não ligou?
- e eu preciso ligar para a casa da minha filha dizendo que vou visita - lá?  - disse Carmem já entrando, quando de repente se deparou com Caroline, levantando imediatamente depois do susto ao vê-lá. Débora seguiu a mãe e pôde perceber a situação constrangedora que estava acontecendo ali, tentou concertar o inconcertável.
- mamãe essa é Carol...Caroline - sorriu Débora educadamente, ainda não muito a vontade com aquela situação.
- Oi, Prazer - falou Carol estendendo a mão para cumprimenta-lá, por sua vez;  Carmem olhou a menina de cima a baixo, tirou seus óculos pretos , a olhando novamente com uma expressão arrogante e desprezível, em seguida solta:
- o que uma garota jovem faz em seu apartamento Débora?  Vestida nesses panos,  praticamente nua.
Caroline abaixa suas mãos, percebeu que a mãe de Débora já não havia ido com sua cara.
tornando aquilo algo recíproco.
- Mamãe, olha só,  a senhora vem na minha casa e se não percebeu está constrangendo minha visita e depois ela é uma amiga, e que tal voltar mais tarde?
- não acredito que esteja falando isso para sua mãe, minha filha..
- eu sai do nosso estado para vim aqui lhe fazer uma surpresa e me trata desse jeito?
- mamãe não foi isso que eu quis dizer, só estou te propondo a vir em um horário onde eu esteja mais disponível para recebe -lá.
- vai trocar a companhia da sua mãe por essa amiga?
Caroline interrompe a conversa.
- Tudo bem Débora, eu vou embora, preciso fazer muitas coisas hoje.
Débora entendeu a situação de Caroline,  demonstrou sua gratidão através do olhar que lançou em sua  direção, Caroline  logo se retirou para ir embora , mas antes...
-prazer em conhece- lá,  ainda nós veremos muito!  - sorriu Carol dirigindo-se para a mãe de Débora , que no fundo adorava fazer uma provocação , principalmente à aquela mulher, que não foi no mínimo educada, talvez Débora tenha a quem puxar.
- Que bom que essa menina tem bom senso, e nós deixe aqui sozinhas, temos muito o que conversar minha filha.
- mamãe espero que não seja problemas, sabe muito bem porque resolvi morar sozinha.
- quanto a menininha for, conversaremos, não vai me oferecer nada minha filha?  Quem vê pensa que eu não te ensinei a ser boa dona de casa.
Débora respirou fundo e foi para a cozinha preparar algo para sua mãe comer e nem percebeu Carmem indo ao quarto procurar por Caroline.
- olá,  qual seu nome mesmo?
- Caroline - falou enquanto arrumava suas coisas.
- será que tem como a mocinha olhar para mim enquanto falo com você?
- o que a senhora deseja?
- o que eu desejo?  Primeiro, que fique longe da minha filha.
- longe da sua filha?  Como assim? - estranhou Caroline.
- não se faça de boba garota, sei o que vocês duas estavam fazendo ali, provavelmente se esfregando como duas vadias .
- A senhora não tem o direi..
- cala boca que eu ainda não terminei, minha filha sempre namorou rapazes,  frequentava a igreja e nunca me deu problemas , até que surgiu essa moda gay, homossexuais, enfim,  essas sem-vergonhices todas, que minha filha se envolveu com más companhias, logo querendo ir embora de casa e conseguiu, veio para cá, mas se tem uma coisa que eu nunca vou deixa-la fazer é isso que sei que ela faz aqui, então trate de nunca mais pisar nessa casa se não quiser problemas, tanto para você quando para ela. Você mal tem dezoito anos de idade menina, poderá muito bem causar inúmeros problemas a ela,  e depois já pensou em sua mãe?  Seu paí?  A vergonha que irá dá a eles?  Nenhuma mãe quer ter uma filha gay.
Débora entrou no quarto, viu Caroline envergonhada, e com lágrimas nos olhos, se esforçando para não chorar.
- o que está acontecendo aqui?  - pergunta Débora.
Caroline pegou sua mochila e saiu em direção a porta tentando disfarçar as lágrimas que caiam pelo seu rosto.
- Caroline!  Caroline!  Caroline!  - falava Débora indo atrás da garota, mas sua mãe a segurou pelo braço, a impedindo-a de seguir sua "amiga ".
- Agora, iremos conversar.
- fala logo mãe, eu preciso ir atrás dela - disse irritada.
- não precisa e não vai!
- mãe,  a senhora não manda mais em mim.
- senta por favor!
Ainda irritada com a situação que sua mãe acabava de protagonizar. Débora se sentou para conversar.
- Sabemos que o seu pai está doente, ele piorou depois de tudo o que aconteceu e gostaria que fizesse uma única coisa antes dele morrer, se não fizer por ele faça no mínimo por mim ou pelo que nós já fizemos para você minha filha.
Débora soltou um sorriso irônico, em meio a lágrimas, não sabia o que falar diante daquela proposta visto que sua magoa ainda era grande.
- e o que seria?
- Se casar com Gabriel.
Débora se levantou, começando a rir...esbraveja:
- a senhora está de brincadeira, só pode.
- minha filha ele sempre amou você, desde que terminaram..não conseguiu te esquecer..
- mãe, para!
- ele ama você minha filha, isso que você vive é só uma fase, você só precisa se encontrar as palavras de Deus e tudo voltará ao normal meu amor .
- mãe, chega!!!  - explode Débora .
- não é fase, é o que eu sou e é quem eu sou . Que saco!  Entenda isso, olha minha idade, eu não sou mais nenhuma adolescente faz tempo, sei muito bem o que eu quero e do que eu gosto.
- então porque não gosta de algo que agrade sua família? e o senhor?  Que não nós machuque tanto?
- mãe,  por favor , eu não escolhi isso, eu escolhi não ser mais infeliz, mas acho que a senhora preferiria me ver a pessoa mais infeliz do mundo, não é mesmo ?!
- Não, mas sim que você estivesse casada com um homem?  isso é óbvio.
Débora limpou suas lágrimas , olhou para cima, respirou fundo.
- então,  eu não aceitei e não vou aceitar, agora por favor, saia da minha casa!
- vai ter coragem de me expulsar mesmo?
- não estou te expulsando,  só quero ficar sozinha.
- tudo bem meu amor, vou deixar o endereço de onde estou hospedada.  E pense bem no que eu te disse, só quero que deixe seu pai feliz antes da sua morte chegar, quero que o deixe orgulhoso.
Débora riu .
- beijos minha filha - disse Carmem, dando um beijo da bochecha de Débora que não retribuiu, apenas ficou ali,  parada, pensando em tudo o que acabara de ouvir.
Logo após a saída de Carmem,  Débora se jogou no sofá e começou a chorar, como há  muito tempo não fazia, não conseguia acreditar que aquilo Nunca pudesse acabar, e que sua felicidade não poderia durar por muito tempo; visto a mãe que tinha, que seja  capaz de estragar  um dia inteiro com apenas dez  minutos de visita. Débora ficou esparramada na cama durante toda a tarde, lembrando principalmente de Caroline, mas ainda não era uma boa hora para ligar, e pedir desculpas, sabia que sua mãe havia dito atrocidades para ela, conhecia a peça, e se tinha uma coisa que não gostaria  era relembrar do que havia acontecido.
Seu telefone tocou,  Débora não queria falar com ninguém , assim não se deu nem mesmo ao trabalho de olhar quem era,  porém o celular não parava de tocar, tirando sua paciência, atendeu sem ao menos ver o nome no visor da tela.
- alô,  quem é?  - fala ríspida.
- oie,  Caroline , só queria saber como está..- disse calma e meiga.
Débora não conseguiu segurar suas lágrimas fazendo com que Carol ouvisse apenas soluços.
- você está chorando?  Sua mãe está aí ?
- não, ela já foi - disse entre soluços
-Já estou indo, não chora mais... Por favor ...beijos, chego em um minuto.- fala carinhosamente e em seguida desliga, indo imediatamente para a casa de Débora.


   Capítulo anterior <<<          Capítulo seguinte >>>

12 comentários:

  1. Poxa! Pq demora tanto para postar um capítulo novo? Eu adoro esse conto por favor postem logo. Parabéns! A história é linda

    ResponderExcluir
  2. Poxa! Pq demora tanto para postar um capítulo novo? Eu adoro esse conto por favor postem logo. Parabéns! A história é linda

    ResponderExcluir
  3. Pfvrrrrrrr, conheci esse conto ontem, e já terminei. Quero mais.
    E atualiza os Desvaneios de Sophia logo </3

    ResponderExcluir
  4. Pfvrrrrrrr, conheci esse conto ontem, e já terminei. Quero mais.
    E atualiza os Desvaneios de Sophia logo </3

    ResponderExcluir
  5. Anônimo1/6/16 23:58

    Continua por favor...

    ResponderExcluir
  6. Anônimo1/6/16 23:58

    Continua por favor...

    ResponderExcluir
  7. Anônimo8/6/16 00:12

    Continua...

    ResponderExcluir
  8. Por favor continua.

    ResponderExcluir
  9. nao tem mais nao? é o melhor q tem aqui.:/

    ResponderExcluir
  10. Adorei muito bom!😍👏👏👏

    ResponderExcluir