24.2.16

Será que é amor? - capítulo 8


Pow ! Pow!
- o que é???  - disse Caroline irritada.
- Sua professora está  te chamando!
- an? -Levantou Caroline, assustada.
- tá  surda?
- que professora?
- levanta e vai ver,  sai desse quarto!
Carol levanta arrumando o cabelo e trocando de roupa, pois ainda estava de pijama. Já abrindo a porta do quarto.. Carol se depara com a professora Débora sentada no sofá.
-Bom dia - disse Débora com um sorriso no rosto.
O pai de Caroline observava a conversa e sem nenhuma vergonha de babar e elogiar descaradamente a professora Débora que já estava sem graça com a situação.
-vamos para o meu quarto.
-QUARTO? TA ACHANDO QUE AQUI É  O QUE?
-o senhor me ofende achando que poderíamos fazer alguma coisa além de conversar.
- não  quis ofend...
- vamos, é  melhor.
Ao entrar no quarto,  Caroline fecha a porta e para não ser interrompida pelo pai tranca sem pensar duas vezes.
-Entendo o porquê passar o dia todo no quarto.
-quem disse que eu passo o dia todo no quarto?
 Ah claro...que pergunta. - Sim,  foi o pai de Carol quem contou.
Débora sorriu e se sentou na cama,  meio sem jeito.
-pensei que não iria mais me procurar, o que está  fazendo aqui?
-Na verdade,  vim como sua professora para saber se você  vai no passeio, afinal já está perto.
-afinal já é  esta perto !-disse remedando a professora.
-Se eu não  paguei até  hoje é  porque obviamente não  vou.
-eu queria que você  fosse...
-queria?  Queria mesmo? -disse irônica.  Enquanto se sentou na cama ao lado da professora.
-O que você  quer comigo Débora? - disse Carol olhando no fundo dos seus olhos, eram mais lindos que alguém  poderia ver, frente a frente com sua boca podendo sentir sua respiração mais acelerada e logo um desvio de olhar, dessa vez partindo de Débora, que pela primeira vez ela pôde  sentir um medo vindo daquele olhar.
-Nada, eu só gostaria que você  fosse ao passeio,  seria bom participar das atividades extracurriculares - disse olhando para a janela e de costa para Caroline impedindo-a de tentar decifrar se aquilo que tinha acabado de dizer era realmente verdade.
-Bom, se é  só  isso não  precisa se preocupar.
Débora se vira,  olha nos olhos daquela menina, linda,doce, gentil, senta- se ao lado dela mais perto que antes.
- você  sabe que não  é  só  isso...-disse Débora com a boca de frente com a boca de Carol... uma podendo sentir a respiração da outra, Débora observava cada feição da garota,  deixando Caroline um tanto quanto nervosa.
- não, não.. sei...- Carol observa a aproximação da professora, que com as mãos acariciava  seu rosto, Carol fechou os olhos tentando sentir da forma mais carinhosa o que Débora estava fazendo naquele momento. Débora de repente puxou Caroline para perto dela, mais precisamente ..segurando-a pela cintura e puxando seu corpo para perto do seu, seu rosto percorreu o pescoço de Carol , sentindo o cheiro mais doce que alguém  poderia sentir,  sua boca passeou pelo pescoço da menina, subiu pela orelha.. dando uma mordiscada acompanhada de uma lambida deixando Caroline arrepiada,levando seus braços para o ombro de Débora,  que a puxava para mais perto de si, Débora continuava brincando com a orelha da garota..
- vai amanhã, eu quero você..
- an? - disse Carol já sem muita força para responder, estava delirando com as carícias de Débora.
- quero você lá, amanhã...
- eu vou...disse a menina toda mole no ouvido de Débora, que com certeza se arrepiou com a voz daquela mulher que já estava em seus pensamentos antes mesmo de saber quem era.
Débora olha nos olhos de Caroline, sente o desejo vindo daquele olhar, assim como ela poderia notar isso no de Débora.
- Acho melhor eu ir ...
- an? Não...-Caroline não queria que Débora fosse mas..
- te vejo amanhã hein - disse fechando a porta do quarto, Carol continuou na cama, mas dessa vez, bem, dessa vez se jogou naquela cama pensando naquilo tudo que tinha acabado de acontecer, ao mesmo tempo que ela queria mais, tinha medo, estava confusa principalmente com as atitudes de Débora, que tinha dito uma coisa e hoje feito algo completamente diferente."o que essa mulher quer de mim?" Pensava ela, perdida relembrando cada uma  das sensações que a tirava o fôlego só de Relembrar.
Ao chegar em casa Débora  não  conseguia entender como conseguiu fazer aquilo, quase beijou sua aluna.
-Uma aluna, Débora!  Aluna!  Meu deus onde estou com a cabeça?!
Ligando o chuveiro com a cabeça em baixo da água quente que caia sobre seu corpo, ela  não  conseguia esquecer aquela cena, ela acariciando Carol com o rosto, mordendo sua orelha.
-a orelha?  Oh céus, onde eu estava com a cabeça?!
Ao mesmo tempo que Débora estava arrependida, fazer aquilo tinha sido tão bom,  aquela menina era presa fácil para Débora.
"se derreteu só  com aquilo que fiz   imagina se descobrisse o que eu faria com ela" - pensava Débora  que já saia do banho ..vestiu sua camisola, secou o cabelo e não conseguiu tirar Caroline da cabeça... sua pele,.seu cheiro continuavam impregnados em sua pele,  que se deliciava ao relembrar o que havia feito pela manhã... ela tinha disso, adorava seduzir mas não gostava de ser seduzida e Carol mesmo sem querer estava conseguindo deixa- lá  cada vez mais encantada, Depois daquele dia e de pensar um pouco, Débora   não  teve mais dúvidas, queria Caroline como nunca quis ninguém.


                Capítulo anterior <<<        Capítulo seguinte >>>

9 comentários: